MINGAU CARA-DE-PAU



ERA UMA VEZ, SÓ UMA VEZINHA
UM GATINHO CHAMADO “MINGAU”
TETÊ, A SUA DONINHA,
ACHAVA QUE ELE ERA “O TAL”.

MINGAU ERA LINDO E FOFINHO.
NÃO TINHA A CARA DE MAU.
MAS BELA ERA SÓ A CARINHA,
ERA BEM BRAVO O MINGAU!

CAÇAVA OS PASSARINHOS
QUE CISCAVAM NO QUINTAL.
UM DIA SUMIU O MINGAU;
FUGIU DE CASA SOZINHO.

PASSARAM-SE OS DIAS, SEMANAS,
E NADA DO MINGAUZINHO.
E POR FALTA DO BICHANO
TETÊ FICOU DODOIZINHA.

TETÊ, CHORAVA, BUSCAVA,
CHAMANDO PELO MINGAU.
MAS DO GATINHO MALVADO,
NÃO HAVIA NEM SINAL.

QUANDO MENOS ESPERAVA,
À NOITE, ENQUANTO DORMIA,
OUVIU UM MIADO QUE MIAVA
QUE LÁ DO SÓTÃO, SAIA.

TETÊ, VOOU PELA ESCADA
E LÁ ESTAVA SEU MINGAU.
SOZINHO? ORA QUE NADA!
QUE GRANDE CARA-DE-PAU!

NÃO QUIS VIVER MAIS SOZINHO,
TROUXE JUNTO A NAMORADA!
ERA UMA VEZ DOIS GATINHOS
AGORA, HÁ UMA “NINHADA”!

MYRTHES MAZZA MASIERO
 

 

VOLTAR

 

CANTINHO DA RITINHA