O macaquinho Tião

 

 

Em meio a piruetas e fazendo muita festa

Ao descobrir gostosas bananas amarelas,

O macaquinho Tião vivia na floresta

Sempre atento ao cantar das sentinelas...

 

Brincando de pular, seguia o macaquinho  arteiro

Imitando tudo o  que via, da onça sabia o rugido,

Do gavião imitava o pio, da cobra o bote certeiro

E quando devagarinho pegava um desprevenido

 

Era aquele susto, todos corriam para se esconder

E o macaquinho Tião rindo, de todos zombava,

Bancando o herói que não tinha o que temer

Do inimigo o movimento sempre imitava...

 

Um dia ficou observando o aviso de perigo

Que as sentinelas faziam ao inimigo se aproximar,

E todos os macaquinhos buscavam abrigo,

Prestando bastante atenção aprendeu a imitar

 

Já imaginando no susto que ira provocar, ficou a rir

Da correria dos macaquinhos e do que iria aprontar,

E em um belo dia de sol, com todos alegres a sorrir

Das brincadeiras nas folhas de bananeiras a escorregar

 

O macaquinho Tião, escondidinho para ninguém ver,

Em cima de uma árvore deu o alarme imitado,

Foi uma correria danada, todos corriam sem saber

Da arte do macaquinho que rindo caiu sentado...

 

Quando perceberam que era um alarme de mentira

Todos ficaram muito tristes e chateados com o fato

De terem sido novamente enganados por quem não tira

Das brincadeiras a arte de pregar peças em desacato

 

E resolveram fazer uma reunião com todos os macaquinhos

Para combinarem a forma de dar ao arteiro, uma lição

Que jamais seria esquecida no meio dos macaquinhos,

Depois de aprovada a idéia , foram procurar o macaquinho Tião

 

Chegaram bem de mansinho, avisando do novo alarme a dar

Que seria o canto do sapo cururu, o macaquinho não disse nada

Ficou pensado no canto do sapo que  teria  de aprender a imitar,

Não sabia que sapo cantava, mas tinha de aprender a toada

 

Que faria os macaquinhos correrem com o novo sinal

Enquanto brincava na bananeira, ouviu o alarme antigo,

Viu todos correrem, virou a maior confusão no bananal

Era macaquinho para todo lado procurando abrigo

 

O macaquinho Tião, com cara de esperto nem olhou

Conhecia bem este alarme, não era o canto combinado,

Não iria cair na brincadeira que ele mesmo inventou

E começou a rir dos macaquinhos escondidos lado a lado

 

Quando percebeu estava sozinho no meio da floresta,

E a onça vinha com fome e bem devagar foi chegando

Com o desejo de pegar o macaquinho e fazer uma festa,

O macaquinho gritou por socorro e ficou chorando...

 

Quando a onça ia dar o bote, todos os macaquinhos gritaram

Em único som e voz, como se todos fossem uma só sentinela

E de repente do alto do verde pinheiro, uma rede lançaram

Aprisionando a onça pintada em uma grande cela

 

Apareceu a Fada da Floresta...

 

O macaquinho Tião ficou muito sem graça em um canto,

Rindo e batendo palmas todos se abraçaram e cantaram,

Foi quando a Fada da Floresta como se fosse um encanto

Pediu silêncio e todos juntos bem quietos ficaram

 

E então a Fada da Floresta falou:

 

Bem, meus macaquinhos, acho que todos aprenderam a lição,

Não podemos com a segurança da floresta brincar,

Por isto existem leis e ordens a serem cumpridas em união

Felizmente tudo deu certo e agora podemos festejar

 

Para todos os macaquinhos e amiguinhos, deixo uma recomendação

Não devemos nunca brincar com as leis e ordens que nos dão abrigo

Devemos sempre obedecer às leis e ordens criadas para nossa proteção

Pois elas foram criadas com a finalidade de nos livrar do perigo.

 

Ramoore

 

Voltar

 

 

CANTINHO DA RITINHA